...
Sinto tantas vezes que não marcho ao mesmo ritmo
E não marcho na mesma direção que o resto das tropas
Como um desalinhado...

João Miguel, O Pássaro do Sul

14/09/2009

Terras




Quando me acerco às tuas terras
e as lavro de fome,
sou tomado por elas,
aprisionado,
semeio-me em ti,
não acabado,
na tua sede,
afogo alagado
ergo-me, voo,
sou arado
semente, cavalo,
macho entalado
agua, labuta,
desejo sonhado,
batido, tirado,
de novo enterrado
no ventre terra,
que és, desejado
morro e nasço,
sou desterrado
e só acordo prá vida,
desassombrado
se abro os olhos,
nu, destapado
perto do sol, luz,
ao teu lado
parido homem,
por ti desenhado
para te satisfazer,
a ti ofertado
quando me acerco às minhas terras
e por elas sou lavrado

João Miguel, O Pássaro do Sul

7 comentários:

Kanauã Kaluanã disse...

Pernoitas em mim [...]

Pressinto o aroma luminoso dos fogos
escuto o rumor da terra molhada
a fala queimada das estrelas

[Al Berto]

...

Palma com palma,
Coração e coração, e gosto de alma
No mais fundo do corpo revelado.

Já a pele não separa.

[José Saramago]

...


Da grande página aberta do teu corpo
sai um sol verde
um olhar nu no silêncio de metal
uma nódoa no teu peito de água clara

Pela janela vejo a pequenina mão
de um insecto escuro
percorrer a madeira do momento intacto
meus braços agitam-te como uma bandeira em brasa
ó favos de sol

[António Ramos Rosa]

És demais, meu anjo...
Post(s) tremendo(s)!!!

Kanauã Kaluanã disse...

“Ah, encontrei quem me ame do jeito que amo! Encontrei quem se perca em mim, com eu me perco em meu amor. Como esse amor me queima, me devora! E tudo vai para ele. É o que ele quer; é o que ele oferece. Ele sente o mesmo que eu – ele se doa. A palavra amor não basta. Estamos enfermos de alegria; morrendo de alegria. Ele ama até a morte, ama com desprendimento – ama”.

[Anaïs Nin]

Somos assim, não é, meu amor!?!

Kanauã Kaluanã disse...

TERRA...

semente

me planto a teus pés
e espero
o tempo que flor

[R.M.]

Tu, sêmen que me faz flores SER.

Kanauã Kaluanã disse...

Aquele pássaro que voa pela primeira vez
Se afasta do ninho olhando para trás

Com o dedo nos lábios
eu o chamei

Eu inventei jogos de água
Na copa das árvores

Fiz de ti a mais bela das mulheres
Tão bela que enrubesces nas tardes

A lua se afasta de nós
E lança uma coroa sobre o pólo

Fiz correr rios
que nunca existiram

Com um grito elevei uma montanha
E arredor bailamos uma nova dança

Cortei todas as rosas
Das nuvens do leste

E ensinei um pássaro de neve a cantar

Marchemos pelos meses desatados

Sou o velho marinheiro
que costura os horizontes cortados

[Vicente Huidobro, poeta chileno]

Deslumbrada contigo, meu Pássaro.

Kanauã Kaluanã disse...

Miguel...

Hoje queria arrancar toda a minha pele, e vestir-me apenas de penas, só para poder voar para até ti.

Saudades loucas, louca que estou!

Kanauã Kaluanã disse...

Colada à tua boca a minha desordem.
O meu vasto querer.
O incompossível se fazendo ordem.
Colada à tua boca, mas
escomedida
Árdua
Construtor de ilusões examino-te
ôfrega
Como se fosses morrer colado à
minha boca.
Como se fosse nascer
E tu fosses o dia magnânimo
Eu te sorvo extremada à luz do
amanhecer.

Hilda Hilst

Louca, louca, louca por ti!!!

Kanauã Kaluanã disse...

"Já a asa da loucura cobre metade da alma..."

(Anna Akhmátova)

Louca de saudades tuas, meu amor.