...
Sinto tantas vezes que não marcho ao mesmo ritmo
E não marcho na mesma direção que o resto das tropas
Como um desalinhado...

João Miguel, O Pássaro do Sul

15/05/2012

Intelectual


Penso que a palavra intelectual é muito mal empregue. Intelectual deveria ser alguém que pensa, alguém que reflecte e acaba por dizer/escrever algo novo, ou reorganizar o que é dito no modo mais justo não evitando pontos fulcrais, sem medo do polémico, falando de tudo. Um pensamento social, que não se deixa guiar somente por ideologias, por crenças, ou por um populismo ou auto-propaganda fáceis, regurgitando pensamentos populares a um lado ou outro duma barricada. Assim, e porque se está a tornar numa palavra vazia, eu digo que admiro pensadores como Boaventura Sousa Santos, Eduardo Galeano, Noam Chomsky e os homens envolvidos no mundo da política que têm a coragem de dissidirem das forças a que se aliaram, quando em sua consciência não podem concordar com o que essas forças defendem em dado momento. Em suma, homens de corpo inteiro.

João Miguel, O Pássaro do Sul

2 comentários:

« Katyuscia Carvalho » disse...

Mais que necessária tal reflexão. A maioria dos intelectuais são tão simplesmente propafandistas a fazerem autopublicidade ou venderem uma ideia que lhes enfeita. Nada mais.

Bravíssimo, Miguel.

« Katyuscia Carvalho » disse...

Muitos intelectuais hoje deviam ser rebatizados: não passam de burocratas do intelecto.